My Fairy Tail World!

Sweet and flowers

16 de setembro de 2014

Rio, Eu Te Amo – Vários diretores e atores juntos em uma homenagem digna a cidade maravilhosa


Onze diretores, sete nacionalidades e vários atores unidos para contar diferentes histórias de vida na cidade maravilhosa. “Rio, Eu Te Amo” segue a mesma linha dos filmes Cities of Love, que já apresentou Paris com o filme “Paris, je t’aime” (2006) e Nova York com “New York, I Love You” (2009).

Sinopse: “Rio, Eu Te Amo” reúne dez curtas de dez diretores brasileiros e internacionais. Cada uma das histórias revela um bairro e uma característica marcante da cidade. As histórias são; Dona Fulana por Andrucha Waddington. La Fortuna por Paolo Sorrentino. A Musa por Fernando Meirelles e Cesar Charlone. Acho que Estou Apaixonado por Stephan Elliott. Quando Não Há Mais Amor por John Turturro, Texas por Guillermo Arriaga. O Vampiro do Rio por Im Sang Soo, Pas de Deux por Carlos Saldanha. O Milagre por Nadine Labaki e Inútil Paisagem por José Padilha. 

Cada curta possui sua particularidade, sua poesia que liga os distintos retratos do Rio. Somos apresentados ao; amor, cultura, praia, crenças, lendas, riqueza, pobreza, felicidade e tristeza. Um misto de sentimentos que no fundo busca transformar os dez curtas em apenas um filme. Para isso, dois grandes atores (entre vários) são considerados os protagonistas por estarem presentes em (quase) todos os curtas e de alguma forma manter a ligação entre as histórias. São eles; Cláudia Abreu e Michel Melamed.


Diante das diferentes histórias de vida, três merecem destaque pelo potencial existente no drama que dava até para fazer um filme solo. São elas; “Dona Fulana”, “A Musa” e “Texas”. 

“Dona Fulana” apresenta para o público uma Fernanda Montenegro mendiga e carismática. Desapegada de tudo e de todos, pronta para viver a vida sem rótulos, sem regras e com uma coragem tão grande que chega até ser absurda. Ela é abordada pelo seu neto (Eduardo Sterblitch, do programa Pânico) que tenta tira-lá dos perigos das ruas do Rio.  A cena final do curta é realmente memorável.


Em “A Musa”, Vincent Cassel é um escultor das areias de Copacabana que se encanta por uma mulher comprometida. Quem nunca viu uma escultura dessas na praia? O curta é de uma particularidade única que mescla a concentração do escultor diante dos diferentes sons produzidos por pessoas distintas na passarela mais famosa do mundo; a calçada de Copacabana.


E Por fim, “Texas” com Land Vieira e Laura Neiva. Ao mesmo tempo em que o capitulo tem um potencial incrível de virar um filme solo, incomoda pelo dúbio final que pode ser interpretado de duas maneiras. O curta narra à história de Texas, um ex-lutador de boxe, que perde um braço e sua esposa não consegue mais andar depois de um grave acidente de carro. Movido pelo sentimento de culpa, ele esta disposto a fazer de tudo para arrecadar o dinheiro necessário para a cirurgia que pode curar sua mulher. Com isso, acaba se envolvendo em uma rede lutas clandestinas no Rio. Os curtas com teor cômico foram os mais descartáveis e mirabolantes, de menor relevância na trama.


Para quem já admira a cidade (como eu) o filme é um presente para os olhos. Com um belo visual e embalado pela trilha sonora bossa nova nas vozes de cantores brasileiros (como Gilberto Gil) e estrangeiros. 

Apesar do filme sempre exaltar as maravilhas da cidade, no curta “Inútil Paisagem”, o personagem de Wagner Moura cita as tristes realidades das grandes cidades (violência, desigualdade, etc) instigado por uma revolta que no fundo é movida pela desilusão amorosa do passado. Porém, só usa das palavras para descrever, nada de negativo é mostrado na tela durante o longa.

Completam o elenco; Rodrigo Santoro, Bruna Linzmeyer, Tonico Pereira, Roberta Rodrigues, Emily Mortimer, Marcelo Serrado, Débora Nascimento, Basil Hoffman, Ryan Kwanten, Regina Casé, Stepan Nercessian, Bebel Gilberto, John Turturro, Vanessa Paradis, Jason Isaacs, Land Vieira, Nadine Labaki, Harvey Keitel, Márcio Garcia e Cléo Pires.

O ator mirim Cauã Antunes também rouba a cena por completo no bem-humorado e emocionante “O Milagre”. 


“Rio, Eu Te Amo” é uma homenagem digna a cidade que é tão exaltada no exterior e tão admirada pela sua beleza natural e paisagens fascinantes, pela mescla do histórico com o antigo e o moderno, pela sua boemia presente de maneiras distintas em diferentes bairros. Recomendo!

Avaliação: Ótimo 


10 de setembro de 2014

O Doador de Memórias: Com grandes astros para uma história com lição, porém incompleta


Chega aos cinemas, nesta quinta-feira, “O Doador de Memórias”. O longa é baseado no livro “O Doador”, escrito por Lois Lowry. O filme é protagonizado pelos jovens e não tão conhecidos atores Brenton Thwaites (Malévola) e Odeya Rush (A Estranha Vida de Timothy Green). A direção é de Phillip Noyce (Salt).

Sinopse: Uma pequena comunidade vive em um mundo aparentemente ideal, sem doenças nem guerras, mas também sem sentimentos. Para tanto, uma pessoa é encarregada de armazenar estas memórias, de forma a poupar os demais habitantes do sofrimento e também de guiá-los com sua sabedoria. De tempos em tempos, esta tarefa muda de mãos e, agora, cabe a um jovem (Brenton Thwaites), que precisa passar por um duro treinamento para provar que é digno desta tarefa. (Adoro Cinema)


Apesar da semelhança (principalmente no início da trama) com o filme “Divergente”, de Neil Burgerm, baseado na obra da escritora Verônica Roth, o livro “O Doador” foi lançado muito antes, em 1993. Por isso, sem comparações com relação ao fato. 


A presença de dois grandes astros de Hollywood (Jeff Bridges e Meyrl Streep, excelentes) acaba por trazer certo prestigio a história, que foge do estereótipo apresentado nas produções semelhantes, não pelo romance jovem (que está presente), mas pelo teor filosófico que o filme carrega; uma mistura de ficção científica e drama social.


Do inicio até o meio, a trama segue interessante e cheia de incógnitas, prendendo a atenção total do espectador. Porém, o desfecho decepciona um pouco e acaba ficando confuso, rápido e até bobo. Se for pensar em todo preparo para os caminhos que a história estava tomando, o filme gera uma sensação de que faltou algo, que estava incompleto (o livro não possui continuação). 

Apesar disso, “O Doador de Memórias” consegue deixar sua lição de assumir riscos e fazer a coisa certa, mesmo que seja contra o sistema. O que a vilã, interpretada por Meyrl Streep, quer é construir uma comunidade perfeita sem dores ou sentimentos. Mas afinal, apesar da sociedade tão desigual e cheia de problemas, nada substitui as emoções do dia a dia, vivenciadas pelos seres humanos. Sejam elas boas ou ruins, precisam acontecer. 

Completam o elenco Alexander Skarsgård, como o pai de Jonas; Taylor Swift, irreconhecível como Rosemary; a sumida Katie Holmes, como a mãe de Jonas e Cameron Monaghan, como Asher, um dos melhores amigos do protagonista. 


Avaliação: Regular 


4 de setembro de 2014

Hércules - Aventura e adrenalina presentes o tempo inteiro durante as cenas


Um dos mais famosos personagens mitológicos, Hércules, ganha mais um filme narrando suas aventuras épicas. O herói é interpretado por ninguém menos que Dwayne “The Rock” Johnson. O filme “Hercules 3D” chega aos cinemas nesta quinta-feira (4). A direção é de Brett Ratner (X-men- O Confronto Final, A Hora do Rush).

Sinopse: Após ganhar fama por ter realizado os 12 trabalhos, o semideus Hércules tem suas habilidades novamente testadas pelo rei da Trácia e sua filha, que procuram por ajuda para derrotar um guerreiro tirano. (Fimow)


Épico, surpreendente e inovador, o filme consegue prender o espectador com um roteiro ágil misturado a boas cenas de ação e violência (sem sangue) e grandes efeitos tecnológicos. A trama surpreende e desmistifica toda a conhecida história do filho de Zeus. Hércules agora tem uma equipe de segregados que é sua nova família. Dramas pessoais e tragédias cercam sua vida e transforma o guerreiro em um mercenário pronto para enfrentar grandes desafios. 

The Rock está brilhante na pele do protagonista e consegue viver seu momento “Conan” nas telonas. Com senso de humor nas horas certas, o herói consegue desconstruir o mito e trazer para o personagem seu lado mais humano.

A equipe que ajuda Hércules nas batalhas é outro ponto positivo do filme. Somos apresentados a grandes guerreiros e uma amazona, cada um possui sua particularidade e sua característica marcante. Entre os atores que formam o time de Hércules estão; Rufus Sewell como Autolycus, Aksel Hennie como o enigmático e fiel Tydeus, Ian McShane como o mago Amphiarus e Reece Ritchie como Iolaus, sobrinho de Hércules. 


O elenco ainda é composto por algumas beldades que enriquecem a história. Entre elas está; Megara, esposa de Hércules que é interpretada pela atriz e modelo Irina Shayk (atual namorada do jogador Cristiano Ronaldo). A sueca Rebecca Ferguson (Ergenia) que tem papel fundamental na história. E a bela norueguesa Ingrid Bolsø Berdal que vive a amazona Atalanta, companheira de batalha de Hércules e sua trupe. 

Apesar de possuir alguns clichês do gênero, o filme firma-se como uma ótima película de ação onde a aventura e adrenalina estão presentes o tempo inteiro durante as cenas. É grandioso, divertido e funciona muito bem como um bom programa de entretenimento. Recomendo! 


Completam o elenco; Joseph Fiennes como King Eurystheus e John Hurt como Lord Cotys.

Avaliação: Ótimo 


3 de setembro de 2014

Anjos da Lei 2- Tão engraçado quanto o primeiro, o filme mostra as interferências na amizade dos protagonistas


Chega aos cinemas de todo Brasil no dia 03 de setembro “Anjos da Lei 2” (22 Jump Street), continuação do filme de 2012 (Anjos da lei). O longa, dirigido por Phil Lord e Christopher Miller, não perde a qualidade do primeiro. Channing Tatum e Jonah Hill voltam como protagonistas. 

Sinopse: Depois de enfrentarem o colégio (pela segunda vez), grandes mudanças esperam pelos oficiais Schmidt (Jonah Hill) e Jenko (Channing Tatum) quando eles encaram uma missão infiltrados em uma faculdade local. Mas quando Jenko encontra sua alma gêmea no time de atletismo e Schmidt se infiltra no centro do principal cenário de arte boêmia eles começam a questionar sua parceria. Agora eles não tem apenas que solucionar o caso, mas também tem que descobrir como amadurecer seu relacionamento. Se esses dois adolescentes crescidos puderem se transformar de calouros à homens de verdade, a faculdade pode ser a melhor coisa que já aconteceu com eles. (Filmow)


Hilário e desinibido, o filme tem ritmo e diverte com piadas (algumas exageradas) compostas por inúmeras referências a cultura pop no geral e à conhecidos filmes de ação. O longa consegue prender o espectador com a trama batida  mas muito bem amarrada. 

Em meio à ação abundante, uma cena improvável do efeito da droga no corpo dos policiais ganha destaque e foge completamente da estética do filme, ganhado “ares” de videoclipe tosco ou videogame.

Tão engraçado quanto o primeiro o roteiro foca nas interferências na amizade dos protagonistas. Ao mesmo tempo em que são “carne e unha’ possuem suas particularidades e gostos diferentes. 


Assim, somos apresentados aos novos círculos de amizade de Schmidt e Jenko. A química entre Channing e Jonah é visível desde o primeiro longa e o misto de ação e comédia cai como uma luva para a dupla. Ice Cube também volta como Captain Dickson e novamente esta hilariante e rouba a atenção em todas as cenas em que aparece. 

Completam o elenco; Peter Stormare como Ghost, Amber Stevens como Maya, Wyatt Russell como Zook e ainda da participação especial de Dave Franco e Queen Latifah.


Além de todos os pontos positivos já citados, este filme tem os melhores e mais engraçados créditos finais de todos os tempos. Recomendo para quem busca diversão. 

Avaliação: Bom


Se Eu Ficar- Tom melancólico com personagens carismáticos e reflexões sobre a vida


O novo drama adolescente “Se Eu Ficar” (If I Stay) é baseado no livro da escritora Gayle Forman (antes da exibição do filme na cabine, todos os jornalista ganharam o livro pela editora Novo Conceito) e atualmente esta entre os mais vendidos nas livrarias de todo Brasil. O filme, protagonizado por Chloë Grace Moretz (Kick Ass), chega aos cinemas no dia 03 de setembro. A direção é de  R.J. Cutler.

Sinopse: O filme gira em torno de Mia (Chloë Grace Moretz), uma violoncelista de 17 anos, em coma após um acidente de carro devastador que matou o resto de sua família. Inconsciente, Mia consegue viajar através de suas memórias e experiências, enquanto tenta decidir se deve acordar ou morrer. (Filmow)


Mesmo com a temática e cenas extremamente melancólicas e o ritmo muitas vezes lento demais, o longa convence pelo tema abrangente que envolve as escolhas e os desafios vividos pela jovem protagonista. Os personagens são extremamente carismáticos (principalmente os pais de Mia) e logo de cara conseguem a empatia do público; O que faz com que a tragédia seja sentida com mais  veemência pelos espectadores. 

As atuações são destaque principalmente entre o casal protagonista (Chloë e Jamie Blackley) que possuem uma boa química e conseguem convencer em suas afinidades e diferenças. É interessante acompanhar também a comovente e particular relação que o casal tem com a música de maneiras completamente distintas; enquanto a personagem de Chloë toca com a alma o violoncelo, seu namorado possui uma banda de rock que começa a ganhar cada vez mais destaque no meio musical. 


A fotografia (composta por pelas cidades canadenses Vancouver e Coquitlam) e a trilha sonora também merecem destaque. A ordem não cronológica e ilustrada com flashbacks da protagonista também acaba por enriquecer bastante a trama. Devido à família roqueira de Mia, os diálogos e a temática de referências às bandas e ao estilo do rock também é interessante de acompanhar. Em alguns momentos o longa lembra filmes com histórias parecidas como; Ghost, Se Fosse Verdade e Um Olhar do Paraíso.

Mesmo sabendo que o filme tem um apelo maior com o público jovem (e vai agradar), serve também como uma reflexão sobre a importância dos momentos e dos valores aprendidos e vivenciados durante a rotina e a convivência no dia a dia com as pessoas que realmente são importantes. Apesar de sempre existir planejamentos futuros, a qualquer momento  tudo pode mudar. 


Completam o elenco; Mireille Enos como a mãe de Mia; Kat Hall. Joshua Leonard como o pai; Denny Hall e Liana Liberato como Kim Schein. 

Avaliação: Bom


21 de agosto de 2014

Sex Tape- apesar da temática interessante o filme acaba por cair na mesmice das atuais comédias


Estreia nos cinemas nesta quinta-feira (21) a comédia “Sex Tape- Perdido na Nuvem”, o longa é protagonizado por Cameron Diaz e Jason Segel. A direção é de Jake Kasdan (Professora Sem Classe).

Sinopse: Jay (Segel) e Annie (Diaz) são um casal ainda muito apaixonado, mas dez anos de casamento e dois filhos esfriaram a paixão. E eles decidem recuperá-la - por que não? - fazendo um vídeo caseiro, no qual experimentam todas as posições do livro, A Alegria do Sexo, numa maratona de três horas de duração. Parece uma ótima ideia, até que eles descobrem que seu vídeo mais íntimo veio a público. Em pânico, eles vivem uma noite muito louca de aventuras - rastreando ligações, enganando o chefe de Annie com a ajuda de amigos - tudo para recuperar seu vídeo, sua reputação, sua sanidade e, mais importante, o seu casamento. (Filmow)


É interessante acompanhar o amadurecimento dos personagens da fase jovem (onde só pensavam em sexo) até a maturidade junto a família. A rotina e as novas responsabilidades faz com que o casal perca um pouco a excitação da adolescência. 

Aqueles momentos com cenas extremamente exageradas e totalmente descartáveis estão presentes durante o filme. O longa está pareado entre a comédia de temática interessante com piadas bem encaixadas e o puro pastelão desesperado em fazer o público rir.

Cameron Diaz e Jason Segel possuem uma boa química em cena. Principalmente Diaz que esbanja boa forma (no auge dos seus 42) e parece sempre bem a vontade em filmes do gênero (basta ver seus históricos que vai desde “O Maskara” até “Mulheres ao Ataque”, que estava há pouco nos cinemas).  A participação relâmpago do ator Jack Black (Escola do Rock) também enriquece a história. 

Leia a crítica de “Mulheres ao Ataque”.



De todos os filmes patrocinados pela Apple, esse é o mais descarado de propagandas a seus produtos. O famoso “product placement” (marketing subliminar de produtos em filmes) esta completamente explicito nas sequências.

Apesar da trama atual que envolve o devagar conhecimento dos adultos as novas tecnologias, o filme acaba por cair na mesmice das atuais comédias com diferencial de possuir temática mais picante. Completa o elenco; Rob Lowe que por coincidência, na década de 80 teve um vídeo intimo seu vazado pela imprensa. 


Recomendo para quem está de bom humor e gosta do gênero. 

Avaliação: Regular 


13 de agosto de 2014

As Tartarugas Ninja 3D - falta de originalidade nas sequências repleta de explosões e destruição


Chega aos cinemas, nesta quinta-feira (14), o filme “As Tartarugas Ninja 3D”, mais uma nova aposta para as famosas tartarugas mutantes que fizeram sucesso com desenhos e filmes na década de 90. A direção é de Jonathan Liebesman (Fúria de Titãs 2); Michael Bay (saga Transformers) produz e Megan Fox (Garita Infernal) protagoniza. 


Sinopse: Afetados por uma substância radioativa, um grupo de tartarugas cresce anormalmente, ganhando força e conhecimento. Vivendo nos esgotos de Manhattan, quatro jovens tartarugas, treinadas na arte de kung-fu, Leonardo, Rafael, Michelangelo e Donatello, junto com seu sensei, Mestre Splinter, têm que enfrentar o mal que habita cidade.

O fato da presença de Michael Bay e Megan Fox (sempre bela e arrumada, mesmo depois de cair e levantar tantas vezes nos bueiros de Nova York) -querendo ou não- faz lembrar a série “Transformers”. Não só por isso, mas por todo o visual e as cenas de quebradeira, e até os mesmos barulhos executados pelo Destruidor (William Fichtner), por exemplo, são igual ao produzido pelos carros robôs alienígenas de Transformers. 



Apesar dos ótimos efeitos visuais, falta originalidade nas sequências. É tudo muito manjado e repetido, parece que já vimos determinadas cenas em algum outro filme de herói, principalmente comparado ao novo Homem-Aranha. A questão do pai da repórter April O'Neil ser um estudioso que desenvolve algo extraordinário e corre risco de vida. Além disso, a cena final em cima do prédio faz lembrar muito as novas películas do aracnídeo mais famoso da Marvel. 

Poucas cenas nostálgicas (o grito de guerra “cowabunga” a as pizzas estão presentes) e engraçadas (como a do elevador) são salvas em meio a tantas explosões e destruição. O fraco e confuso roteiro se perde no meio dos personagens pouco carismáticos. Há uma série de tentativas de cenas que envolvam conflito e seriedade na relação entre as tartarugas.  Porém, nada fica muito claro para o espectador do que seria essa rixa entre os heróis, se é que ela existe. 


Crianças podem até se divertir, mas os adultos que procuram reviver sua fascinação de infância vão se decepcionar um pouco com o filme. Completam o elenco; Whoopi Goldberg, como a chefe de April, e Will Arnett, como Vernon Fenwick. 

Avaliação: Regular 


Saudades deles? Eu também!

5 de agosto de 2014

Guardiões da Galáxia- o filme é um dos melhores do ano e da Marvel


Muitos afirmaram, desde o inicio, que “Guardiões da Galáxia” era um “tiro no escuro”. Um filme com grande orçamento, com elenco de peso e apresentando ao público desconhecidos heróis, em meio a um cenário quase todo composto pela tecnologia CGI. Mesmo assim, a Disney insistiu no potencial do filme e em sua divulgação. Todo o esforço não foi (nem um pouco) em vão e o longa é, com certeza, um dos melhores do ano e também um dos melhores da Marvel. 

Sinopse: O aventureiro espacial Peter Quill (Chris Pratt) acaba se juntando a um quarteto de renegados alienígenas e assume o comando da equipe que protege diversos planetas. O grupo que compõe os “Guardiões” junto a Peter é formado pelos personagens Rocket (Bradley Cooper), um guaxinim atirador; Groot (Vin Diesel), um humanoide em forma de árvore; a mortal e enigmática Gamora (Zoe Saldana) e o vingativo Drax the Destroyer (Dave Bautista).


São muitos pontos positivos que fazem com que o filme, definitivamente, seja um ótimo programa de (puro) entretenimento. Todo visual, efeitos, cenas de ação bem feitas e não cansativas aliadas a um roteiro ágil e bem amarrado deixa o espectador ligado durante todo o desenrolar da trama. O longa é dirigido pelo novato James Gunn.

O destaque do filme, com certeza, são os protagonistas. O time é composto por cinco guardiões, ambos de raças alienígenas diferentes, cada um com sua personalidade e característica marcante. A começar por Peter Quill (Pratt): meio humano, meio alien, que deixou a terra ainda criança e atualmente é o nostálgico “senhor das estrelas”. Ele dá o passo inicial para juntar o grupo quando rouba um objeto cobiçado pelo vilão Ronan (Lee Pace). Fora o humano, o time é composto ainda pela única mulher do grupo, a durona Gamora (Saldana), sobrevivente de sua espécie aniquilada pela irmandade Baddoon. Drax (Dave Bautista) é o vingativo membro da entidade Kronos que esta atrás de Thanos para vingar sua família. Rocket Raccoon (voz de Bradley Cooper) é um guaxinim irônico, mal humorado e habilidoso que tem como aliado o sensível e forte Groor (voz de Vin Diesel), uma árvore mutante que controla a natureza e tem a capacidade de se regenerar. 


Ambos os personagens tem destaque na trama de maneira igual, de forma com que todos acabam ganhado a simpatia do público.  O longa é uma comédia com aventura que mescla diálogos inteligentes, nostalgia dos anos 80 e todo o fantástico visual das galáxias. O elenco ainda conta com astros consagrados como Glenn Close, John C. Reilly, Benicio Del Toro e ótimos vilões como Lee Pace e Karen Gillan como a enigmática Nebula.

Trilha sonora e referências a filmes marcantes;

Outro destaque absoluto das sequências é a trilha sonora completamente vintage e nostálgica repleta de clássicos e referências aos anos 60, 70 e 80. Nessa empolgante salada musical, somos apresentados às fitas tapes (e as hilárias dançinhas) de Peter Quill que vai desde "Hooked on a Feeling”, de Blue Swede, visto também no clássico de Tarantino, “Cães de Aluguel”; "Go All the Way" de Raspberries (também vista no filme “Quase famosos”); Moonage Daydream", de David Bowie; "Fooled Around and Fell in Love", de Elvin Bishop; "Come and Get Your Love", de  Redbone (da famosa cena inicial do filme) "Cherry Bomb", da banda de rock feminina The Runaways; até "Ooh Child", de The Five Stairsteps; “Ain't No Mountain High" de Marvin Gaye e Tammi Terrell (trilha do filme “Lado a Lado”, de Chris Columbus, com Julia Roberts e Susan Surandon); e "I Want You Back", de Jackson 5 da icônica cena final do longa.


Um dos melhores filmes da Marvel

Por fim, tenho a dizer que a Marvel acertou em cheio por mostrar novas caras em uma história quase, ou totalmente, desconhecida do grande público. Entretenimento de qualidade desde a primeira cena até o desfecho, que passeia desde a comédia recorrente (o que nada me incomodou) até a emoção verdadeira que envolve a relação de amizade desenvolvida entre os protagonistas no decorrer da história. Vale ressaltar que nunca a emoção foi tão grande na sala de cinema com um personagem que passa o filme inteiro dizendo apenas "Eu sou Groot".


Rendam-se, terráqueos, somos apresentados ao mundo dos Guardiões e você vai ficar bem feliz em fazer parte dele durante rápidas duas horas. Recomendo.

Avaliação: Excelente 


1 de agosto de 2014

O Último Amor de Mr. Morgan- Michael Caine estrela filme que aborda solidão, amizade e melancolia



Está em exibição nos cinemas “O Último Amor de Mr. Morgan”, longa dirigido por Sandra Nettelbeck (Simplesmente Martha) e estrelado por Michael Caine e Clémence Poésy. O filme fala sobre solidão e amizade em meio a uma bela e triste Paris.

Sinopse: Mr. Morgan é um professor americano de filosofia aposentado e viúvo que mora em Paris. Apesar de não aceitar a morte da esposa e conviver espiritualmente com ela, ele acaba se aproximando da jovem e bela professora de dança Pauline. Juntos, em passeios pela cidade, eles redescobrem a vida nos bulevares e parques da capital francesa.

O elenco composto por jovens, experientes e talentosos atores segue um tom melancólico durante todo filme.  Do inicio até a metade, o longa mostra as dificuldades de continuar a viver na solidão e enfrentar a rotina sem esquecer-se de como era a vida ao lado da pessoa amada. Assim, o protagonista, interpretado por Caine, vai vivendo uma rotina descrente e monótona até conhecer Pauline.


A aproximação do senhor com a jovem é ilustrada sem segundas intenções e mostra a clara relação de amizade e respeito que existia. Pauline gostava de estar na companhia de Mr. Morgan porque ele lembrava seu pai. Já Morgan, de inicio fica um pouco reticente a convivência com a professora, mas logo sede aos encantos da bela e começa a frequentar até suas animadas aulas de dança.

O filme ainda mostra a conturbada relação de Mr. Morgan com os dois filhos. Erros e acertos do passado da família são discutidos nas cenas de Caine com o ator Justin Kirk, que interpreta o filho; Miles Morgan. A trilha de Hans Zimmer e a fotografia são pontos que também merecem destaque.


O desfecho da trama decepciona e acaba por concretizar a ideia que “a solidão é uma cicatriz na alma” é incurável, e nem uma proposta de enfrentar a vida de cabeça erguida e recomeçar ao lado de pessoas importantes convence o solitário Mr. Morgan, deixando todos do cinema impressionados com a triste reviravolta mostrada na trama. Recomendo o filme para quem curte drama e não recomendo para pessoas que acabaram de passar por dolorosas perdas.

Avaliação: Regular 


25 de julho de 2014

Flowers in the air















Nesta quarta-feira a Tereza, fotógrafa do Coffee and Movies passou aqui em casa e estávamos planejando há algum tempo em fazer algumas fotos com esse vestido novo que pedi para minha costureira, Jô, fazer há alguns meses atrás. Claro que o resultado não poderia ter sido outro né? A Tereza consegue criar um ambiente tão legal em todas as fotos que fazemos.

Como esse vestido não tem nenhuma marca só vou colocar aqui a marca do sapato ok? Espero que vocês gostem porque pra mim foi ótimo fazer as fotos!

Sapato: Moleca. Gaiolinha: Presente da Verônica.

Fotos: Tereza Sá.