2 de agosto de 2012

Paris se apaixona por Bel Ami

Baseado no livro de Guy de Maupassant, "Bel Ami, O Sedutor" traça um perfil do estilo de vida da nobreza parisiense e da força das mulheres por trás de grandes homens


Recém saído da guerra, o jovem soldado George Duroy decide viver em Paris em busca de oportunidades. Apesar de ser de origem humilde e camponesa e agora longe dos campos de batalha, George possui um único talento: a sedução. Desinibido, conquista várias mulheres por onde passa e sabe que em Paris não será diferente. Ao trocar o circuito imundo de bares e casas noturnas frequentadas por prostitutas e ladrões, George se aproveita praticamente todas as mulheres que conhece a fim de usufruir da influência de cada uma sobre seus respectivos maridos.

Contextualizado em 1890 e baseado na obra de Guy de Maupassant, o filme Bel Ami, O Sedutor foi produzido em 2010, mas chega aos cinemas agora. Estrelado por Robert Pattinson, Uma Thurman, Christina Ricci e Kristin Scott Thomas, a obra gira em torno da covivência de George Duroy com as mulheres da alta sociedade parisiense.

Apadrinhado pelo rico e influente editor do jornal La Vie Française, Charles Forestier, o jovem passa a frequentar festas e bailes repletos de belas mulheres e homens ricos. Logo que conhece não só a esposa de Charles como também seu círculo de amizades, George percebe que em Paris, as pessoas mais importantes não são os homens, e sim suas esposas. A partir daí o belo e cobiçado soldado embarca numa jornada para obter sucesso, dinheiro, fama e sexo. Passa a ser conhecido pelas mulheres como Bel Ami em uma referência à sua aparência e constante proximidade com as senhoras da capital.

Em uma clara crítica aos modos de vida franceses da época, o autor do livro retrata um mundo em que a política e a mídia brigam pelo poder, e onde o sexo é uma arma, a fama é uma obsessão e todos são traidores. Em alguns momentos, pensamos ter certeza de que George de fato manipulava as pessoas, mas em outros, parece que era ele o manipulado pelo mundo ao redor. Em certo ponto da história, ele se torna rude e grosseiro, traz à tona todas as suas características originais.

George Duroy vive uma curta carreira de jornalista. Foi empregado pelo dono do La Vie Française, Monsieur Walter, como indicação de Charles. O plano inicial era que o jovem publicasse em uma coluna periódica cartas que escreveu a um amigo enquanto estava na África com o exército francês. Eu disse que foi curta porque quem realmente fez o trabalho que poderia ter virado um livro foi a bela esposa do amigo, Madeleine Forestier (Uma Thurman). Enquanto isso George se divertia com a amiga do casal, Clotilde de Marelle (Christina Ricci).

Em certo ponto da história, vemos George virar motivo de piada entre os executivos do jornal. Mas isso dura pouco. Com apenas uma visita e alguns olhares e sorrisos à esposa do dono e editor chefe do jornal, Virginie Walter (Kristin Scott Thomas), o sedutor ocupa o posto de chefe da coluna social, um cargo que exigiria bem menos de sua capacidade intelectual. Tudo isso seguido de uma relação turbulenta com a bela e inteligente Madeleine Forestier.


Apesar de perde o rumo, o Bel Ami acaba sua jornada realizando um feliz e rico casamento, depois de arquitetar uma enorme conspiração para tal. Sua maior dificuldade foi aprender a lidar com a dura realidade da sociedade corrupta em que se instalou, com os colegas traidores, amantes manipuladoras e empresários pouco confiáveis. É nesse momento que Duroy precisa provar se é capaz de alguma coisa. Mas tudo que ele faz é provar que é um ótimo sedutor, chantagista e ambicioso.


Bel Ami, O Sedutor é intenso e não te fará rir por muito tempo. Em algumas situações chega a ser engraçado o fato de George Duroy estar sentado à mesa com as três mulheres que mantém e todos os seus maridos. Mas é até aí que vai o humor. Robert Pattinson não é ótimo, apesar de aparecer peladinho, mas o personagem não é qualquer vampirinho. Complexo e nada inocente, o público acaba não torcendo pelo protagonista do romance, pelo modo como ele trata suas amantes. Se por um lado os diretores Declan Donnellan e Nick Ormerod não conseguiram fazer do filme um clássico tão importante quanto o livro, são as atuações das mulheres de Pattinson que sustentam o longa.

2 comentários:

  1. Luísa amei seu post e quero mto ver esse filme, não só pelo Robert Pattinson mas pela história parecer ser legal! Confessso que nao sou mto fã da Uma Thurman mas vou relevar e ver! *_*

    ResponderExcluir
  2. Oi Alayana! Muuito obrigada pelo elogio!
    Eu achei o filme legal, apesar de não gostar do Robert. Confesso que gosto do bumbum dele, mas só isso mesmo hahaha
    Aproveite! Depois passa aqui pra me contar o que achou (:

    ResponderExcluir

Olá queridos leitores e leitoras!
Que bom que gostaram do post! Responderemos assim que pudermos.
Continuem comentando a opinião de vocês, porque é isso que faz o Coffee and Movies crescer e sempre melhorar.
Gostaríamos apenas que vocês seguissem algumas regrinhas legais para manter tudo em ordem:
- Não postem comentários anônimos. Esse tipo de comentário não será divulgado e nem respondido. Temos o maior prazer em sempre responder às suas mensagens e é importante então podermos saber quem são vocês. Além de estreitar nossas relações, não é mesmo?
-Tem interesse em divulgar o seu trabalho aqui no nosso espaço? Envie uma mensagem para Contato e especifique que se trata de publicidade e/ou parceria, para assim fazermos uma negociação.
- Saibam que todos os comentários postados aqui são moderados pela autora do blog, e ela não aceitará, em nenhum motivo, comentários machistas, preconceituosos, desrespeitosos ou difamações.

Obrigada por colaborar com o Coffee and Movies!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...