15 de maio de 2014

Godzilla- ótimos efeitos e técnica, mas muitos clichês de filmes do gênero


Desde 1945 houve mais ou menos 30 filmes sobre Godzilla, o famoso monstro japonês. Criado por Tomoyuki Tanaka, a história ganha uma versão atual nas mãos do diretor Gareth Edwards e estreia quinta agora nos cinemas nacionais. 

No inicio do filme já somos inseridos no clima com cenas de estudos antigos sobre o lagartão e bombas nucleares explodindo são mostradas junto aos créditos iniciais. Logo somos apresentados a Joe Brody (Bryan Cranston) e sua família americana que reside no Japão. Após a morte da esposa (Juliette Binoche) em um acidente na usina nuclear em que ambos trabalhavam, Joe cria seu filho sozinho. Ele se isola e dedica-se aos estudos para tentar entender os reais motivos do acidente. Quinze anos depois, somos apresentados a Ford Brody (Aaron Taylor-Johnson), agora adulto, ele é um soldado do exército americano e precisa lutar desesperadamente para salvar a população mundial, em especial sua família, do gigantesco e assustador monstro Godzilla e de outras criaturas que ameaçam a todos.


A cena em que os militares pulam de paraquedas com as luzes vermelhas (que é vista no trailer) realmente é muito boa, uma das melhores do filme. O personagem de Aaron Taylor-Johnson é, junto com Godzilla, o salvador da humanidade. Falta simpatia para o elenco de jovens e consagrados atores, que, além de Taylor-Johnson, conta com; Bryan Cranston, Ken Watanabe, Elizabeth Olsen e Juliette Binoche (apenas em uma participação especial). O excesso de cenas clichês e a ação monótona prejudicam as sequências. Os efeitos visuais estão fantásticos, mas toda vez que Godzilla, aparece em cena (e não são muitas vezes), acontece todo um suspense como se ele fosse se apresentar pela primeira vez para o público. 


As batalhas épicas são exploradas apenas no desfecho do filme, e nenhuma sequencia é tão relevante ou marcante de confronto físico entre os gigantes. Nem o drama humano consegue ser notável no filme visto que tudo é tão previsível que já dá para imaginar e acertar como será o desfecho da história. A premissa dramática de Godzilla é entregue inteiramente ao subtexto sobre o abuso do poder nuclear.

Comparando a outro filme de criaturas monstruosas, citaria “Círculo de Fogo”, de Guillermo del Toro. O longa lançado em agosto do ano passado consegue ser melhor desenvolvido que Godzilla por mesclar as excelentes sequências de ação e os dramas convincentes dos humanos envolvidos na historia. 

Leia a crítica de Circulo de Fogo (aqui).

Apesar de tudo, quando finalmente ouvir Godzilla rugido e sentir sua presença incrível, poderá ser um estimulo a mais que pode valer o ingresso e até a felicidade dos fãs do lagarto de dois quilômetros de altura. É só uma pena que o resto do filme não é tão impressionante.


Avaliação: regular 


1 comentários:

  1. Meu irmão me obrigou a ir ver esse filme com ele no cinema nesse fds e eu que não tinha expectativas nenhuma, acabei gostando bastante. Os efeitos são realmente ótimos, e amei a cena dos paraquedas. Gostei também que a história dos monstros com energia nuclear foi até elaborada, e gostei muito das atuações de todos os atores. Mas confesso que senti falta de algo no filme e não sei explicar ao certo o que venha a ser. De qualquer forma é um filme que recomendo a ir ver no cinema - em tela grande -pois vale a pena.

    ResponderExcluir

Olá queridos leitores e leitoras!
Que bom que gostaram do post! Responderemos assim que pudermos.
Continuem comentando a opinião de vocês, porque é isso que faz o Coffee and Movies crescer e sempre melhorar.
Gostaríamos apenas que vocês seguissem algumas regrinhas legais para manter tudo em ordem:
- Não postem comentários anônimos. Esse tipo de comentário não será divulgado e nem respondido. Temos o maior prazer em sempre responder às suas mensagens e é importante então podermos saber quem são vocês. Além de estreitar nossas relações, não é mesmo?
-Tem interesse em divulgar o seu trabalho aqui no nosso espaço? Envie uma mensagem para Contato e especifique que se trata de publicidade e/ou parceria, para assim fazermos uma negociação.
- Saibam que todos os comentários postados aqui são moderados pela autora do blog, e ela não aceitará, em nenhum motivo, comentários machistas, preconceituosos, desrespeitosos ou difamações.

Obrigada por colaborar com o Coffee and Movies!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...